O teste mais importante de todos

1João 2.3–11
Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou. Amados, não vos escrevo mandamento novo, senão mandamento antigo, o qual, desde o princípio, tivestes. Esse mandamento antigo é a palavra que ouvistes. Todavia, vos escrevo novo mandamento, aquilo que é verdadeiro nele e em vós, porque as trevas se vão dissipando, e a verdadeira luz já brilha. Aquele que diz estar na luz e odeia a seu irmão, até agora, está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço. Aquele, porém, que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.

 

Você já passou por um grande teste em sua vida? Quase todas as pessoas no planeta passam por testes. Vestibular, concurso público, entrevista de emprego… Estamos constantemente sendo testados. E tudo isso gera muita ansiedade, expectativas, pressão. É claro que nenhum desses testes define quem você é. Você não é sua nota do vestibular. Você não é o quanto você sabe, ou o quanto você ganha. Se não passar no vestibular hoje, bem, você ficará triste. Mas amanhã haverá outro teste. Vai ficar tudo bem.

Mas e se houvesse um teste cujo resultado realmente definisse quem você é? É exatamente isso que temos nesse texto da carta de João.

O grande tema da primeira carta de João é a comunhão com Deus. Ele trata de comunhão do início ao final da carta. É uma comunhão que só tem quem crê em Jesus Cristo, e que traz mudanças em nossa vida. João quer que os crentes tenham certeza da vida eterna (1Jo 5.13).

João escreve essa carta para resolver um problema na igreja. Ele está combatendo falsos mestres, que espalhavam mentiras a respeito de Jesus. Eles diziam também que tinham um conhecimento especial a respeito de Deus, e causavam divisão na igreja. As pessoas estavam ficando tão confusas, que já não sabiam se tinham a vida eterna.
João escreveu essa carta para resolver essa confusão. Para isso, ele mostra qual é o fundamento da comunhão da igreja com Deus. Esse fundamento é Jesus Cristo. E ele também mostra as implicações dessa comunhão. Deus é luz, e quem tem comunhão com Deus anda na luz. Deus é Santo, e quem tem comunhão com Deus é santo. Deus é amor, e quem tem comunhão com Deus ama.

O que João faz é uma série de testes. Eles são para te dar certeza da vida eterna, da comunhão com Deus. E isso pode parecer algo terrível, amedrontador, mas não é para ser. Pense que isto é como um checkup médico. É algo necessário. São exames que você precisa fazer. E às vezes é bem chato de fazer. Às vezes o checkup mostra que está tudo bem. E isso te traz grande alívio. Mas às vezes ele mostra um problema. E aí, é melhor tratar logo, antes que se torne algo bem pior.

João não escreveu esse texto pra botar medo em você. Muito pelo contrário: ele escreveu para te dar segurança.
Por outro lado, ele também quer deixar claro quem são os falsos mestres: são aqueles que estão na igreja, mas não estão em Jesus.

No capítulo 1 (1Jo 1.5-2.2) nós temos o primeiro teste, e é este: Quem anda com Deus reconhece que tem pecado, confessa-o, e confia em Cristo, pois nele há perdão e purificação.

Agora João nos dá o segundo teste. E é sobre isso que quero falar com vocês hoje.

A marca de quem conhece a Deus é a obediência

Qual é a marca da vida de quem anda com Deus? A marca na vida de quem anda com Deus é a obediência (1Jo 2.3-5a).

Conhecimento de Deus

Antes de qualquer coisa, o que João não está dizendo aqui? João não está dizendo que quem conhece a Deus tem uma vida perfeita.Ele mesmo diz que quem alega não ter pecado é mentiroso (1Jo 1.8). O pecado ainda faz parte da nossa experiência.

O que João está dizendo é que quem conhece a Deus vive em obediência. Mesmo que haja tropeços, a obediência é algo contínuo em sua vida.

Uma vida coerente

João aqui ainda está tratando daquele problema dos falsos mestres. E o que é interessante é que não é só a sua doutrina que depõe contra eles. A sua conduta também os acusa.

Esses falsos mestres acreditavam que numa separação entre corpo e alma. Eles criam que a alma poderia ser salva, enquanto o corpo era entregue à sensualidade.

Isso pode parecer estranho para nós, longe da nossa realidade, mas não é tão diferente da divisão que muitos fazem em suas vidas. Muitos que professam serem cristãos vivem de forma incoerente em suas casas, no trabalho, na faculdade, ou em suas vidas privadas.

Imagine alguém que vai todo domingo à igreja, canta e lê a Bíblia; no trabalho, ri de piadas obscenas e pratica coisas desonestas para subir na carreira; em casa, é rude, preguiçoso e manipulador; e quando confrontado por esses pecados, fica com raiva e não se arrepende. Diz coisas como “você não pode me julgar!”

Isso é o sintoma da incoerência, da vida dividida.

Guardando a Palavra

Como no Salmo 1:

Salmo 1.2
Antes, o seu prazer está na lei do Senhor,
e na sua lei medita de dia e de noite.

Existe uma grande diferença entre ouvir e guardar a Palavra.

  1. Quando a lemos regularmente. Quem conhece a Deus quer ouvir o que ele diz. Quem se afasta da Palavra de Deus demonstra não se importar com o que ele diz.
  2. Quando temos prazer na Palavra. Não lemos a Palavra como um livro qualquer, mas como a mensagem de alguém muito querido. O Salmo 119 é muito útil ao nos mostrar como é o sentimento de alguém que tem prazer na Palavra.
  3. Quando cremos na Palavra. A palavra de Deus não é apenas palavras bonitas. Não é apenas uma coisa bela. Ela é a verdade verdadeira. Ela é a revelação especial de Deus. Ela é nossa regra de fé e prática. Ela é autoridade.
  4. Quando confiamos na Palavra. Nós confiamos no evangelho, que dá vida eterna Nós confiamos em suas promessas. Nós depositamos nossa esperança no que Deus diz.

Aperfeiçoados no amor

Quem vive em obediência só o faz porque tem o amor de Deus (1Jo 2.5a).

E veja como isso é interessante, porque a gente muitas vezes pensa da seguinte forma: “eu amo a Deus, e por isso obedeço”. Mas aqui João nos mostra o outro lado: é o amor de Deus que gera a obediência.

Veja, os mandamentos se resumem em amor. Amar a Deus sobre todas as coisas, amar o próximo como a ti mesmo. Só ama quem obedece, certo? Quem não ama, não obedece.

Só que nós não temos amor em nós mesmos. Mas Deus amou você! Por isso ele enviou a Cristo, e nos deu vida eterna! E essa obra do amor de Deus é completada em nós através da obediência.

Outra coisa que vemos aqui é que essa obediência é um processo. Se você conhece a Deus, ele está aperfeiçoando o amor em você. Ele está trabalhando em sua vida.

João não está dizendo simplesmente: “Obedeça a Deus! Guarde a sua palavra!”

O que ele está dizendo é: ‘Você conhece a Deus? Então você guarda os mandamentos. Você guarda a palavra. O amor de Deus é aperfeiçoado em você.” Isso tem sido verdade em sua vida?

O padrão da obediência é andar como Jesus andou

Nós vimos em primeiro lugar que a marca na vida de quem conhece a Deus é a obediência. Agora vemos qual é o padrão dessa obediência: é andar como Jesus andou (1Jo 2.5b-8).

Quem está em Cristo, quem está unido a Cristo, deve andar como ele andou. O que isso significa? Isso significa que em Jesus nós temos um padrão para seguir e também temos poder para obedecer.

Um padrão para seguir

Cristo é o padrão que temos para seguir. Mas como é a vida de quem anda como Jesus andou?

Veja, João diz (1Jo 2.7) que o que ele está transmitindo não é nada de novo. Não é um novo mandamento. É o mesmo mandamento que eles ouviram desde o princípio, de Moisés, dos profetas, de Cristo e dos apóstolos.

Os falsos mestres é que traziam novidade. Eles pregavam uma nova doutrina, um novo evangelho. Em oposição a eles, João apela para a velha Lei de sempre, os mandamentos que Deus revelou desde o início.

Mas o mandamento é antigo e também é novo (1Jo 2.8), o que é verdadeiro nele e em nós. Não tem como ler isto sem pensar no que Jesus disse (Jo 13.34-35):

João 13.34–35
Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.

Lembrem-se, os mandamentos resumem-se em amor, a Deus e ao próximo. E ninguém demonstrou amor maior do que o próprio Jesus Cristo:

João 15.13
Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos.

É, em primeiro lugar, viver conforme a Lei de Deus. E foi assim que Jesus viveu. Quando falamos de andar como Jesus andou, estamos falando de um padrão bem alto.

  1. Jesus cumpriu toda a Lei.
  2. Jesus foi submisso ao Pai, mesmo quando isso lhe traria grande dor.
  3. Jesus orava o tempo todo. Ele sempre buscava o Pai em oração.
  4. Jesus foi enviado em uma missão pelo Pai, e ele a cumpriu.
  5. Jesus veio para servir e se humilhou, lavando os pés de seus discípulos;
  6. Jesus morreu pelos seus, e não há amor maior do que esse.
  7. Jesus perdoou seus inimigos,
  8. foi paciente com seus discípulos,
  9. se compadeceu dos que sofrem…
  10. … os exemplos não acabam!

Em cada uma dessas coisas somos chamados a imitar Jesus.

Poder para obedecer

Sem dúvida, esse é um padrão muito alto. Tão alto que é assustador. Quem é que pode fazer isso?
A questão é que Jesus não é apenas o nosso padrão. Ele não é apenas um exemplo a ser seguido. Ele não foi apenas um grande mestre, um grande profeta. Ele é o nosso Redentor, nosso salvador, aquele que nos amou primeiro. E é por estarmos nele que podemos andar como ele andou.

Nós estamos em Cristo! Nós estamos unidos a Cristo. E isso aplica os benefícios de Cristo a nós. E essa é uma realidade maravilhosa. Ele nos amou. Ele se entregou por nós. E é por estarmos em Deus que podemos permanecer em seu amor (1Jo 4.16).

1João 4.16
E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.

Deus é amor. E é pelo poder desse amor que nos tornamos capazes de obedecer os mandamentos. Porque estamos em Deus, podemos vencer o mundo, porque Cristo venceu o mundo (1Jo 5.3-5).

1João 5.3–5
Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus?

O que isso tem a ver comigo e com você?

João não escreveu esse texto para pessoas perfeitas. Há muitos cristãos que estão sinceramente lutando contra pecados, e João sabe disso. Ele mesmo diz que Jesus é nosso advogado.

Às vezes estamos tão frustrados em meio a luta contra o pecado que até desistimos da nossa santificação. Às vezes olhamos para nossa vida e parece que ela só está piorando. Você busca ver algum progresso, mas parece que só há declínio e depressão.

Aqui, João dá verdadeira esperança ao cristão desanimado. Que esperança há para o cristão em meio a luta contra pecados?

  1. Há esperança no fato de que Deus enviou Cristo não apenas como um padrão a ser imitado. Não, antes de tudo ele nos amou. Ele é nosso Redentor. Ele morreu em nosso lugar. E porque estamos nele, estamos unidos a ele, agora temos o amor dele em nós.
  2. Também há esperança porque tudo o que Jesus conquistou com sua obediência, morte e ressurreição é aplicado a nós. Tudo o que é verdadeiro nele é verdadeiro em nós. Recebemos todo o perdão, as bênçãos espirituais, a vida, tudo é dado a nós. Por isso temos as ferramentas necessárias para a nossa santificação. Temos o poder e a consolação do Espírito Santo. Temos paz com Deus. Temos mais do que o suficiente.
  3. Não devemos ceder à desesperança também porque muitas vezes não é verdade que sua vida só está piorando. Perceba que João nos dá aqui uma perspectiva bem positiva (1Jo 2.8): “as trevas se vão dissipando e a verdadeira luz já brilha”. Isso é algo que já está acontecendo. Jesus já venceu as trevas, e elas estão dissipando. Ele é a luz do mundo, e essa luz está brilhando.

O reino do mal está perdendo. O reino da luz está ganhando. João aqui está te dando o placar do jogo, e agora está 7 a 1, pra nós!

Às vezes temos uma perspectiva equivocada da nossa santificação. Às vezes temos a impressão de que estamos em declínio exatamente porque estamos crescendo. Quando mais você é santificado, mais pecados você percebe em si mesmo.

Por isso, não se desespere. O que João está dizendo aqui não é simplesmente “Seja como Cristo! Imite a Cristo!”.
O que ele está dizendo é: se você está em Cristo, aquilo que é verdadeiro nele é verdadeiro em você. Se você está em Cristo, unido a Ele, a luz está brilhando, mais do que você imagina!

A direção da obediência é o amor ao irmão

Nós vimos que a marca da comunhão com Deus é a obediência. Nós vimos que o padrão da obediência é Cristo, e o poder para obedecer vem de Cristo. Agora podemos ver também que a direção da obediência é o amor ao irmão (1Jo 2.9-11).

Qual é o ponto de João aqui? É que se alguém realmente está na luz, se realmente ama como Jesus, ele ama também a quem Jesus amou.

Veja, quando João fala de “irmão”, ele está falando de um membro da comunidade, da igreja. Esse mesmo uso da palavra está presente em outros lugares da carta.

Não há nenhum tropeço naquele que ama o irmão (1Jo 2.10). A ideia de tropeço aqui é a de atrapalhar a vida espiritual de alguém, de levá-lo ao pecado, de ser motivo de escândalo.

O contexto aqui é que aqueles falsos mestres estavam causando confusão na igreja. Eles estavam levando seus irmãos a pecar, a sentirem insegurança, e causando divisão na igreja. Por fim, eles saíram da igreja. João vai tratar disso no versículo 19 (1Jo 2.19): “eles saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos”.

Eles nunca foram realmente parte do povo de Deus. Eles estavam na igreja, mas não eram da igreja. Por isso, ele saíram.

A igreja é o lugar onde a santidade é trabalhada e manifesta. Não tem como você ser cristão sozinho.

Como isso se aplica a mim e a você?

Existem várias formas pelas quais podemos estar odiando o nosso irmão. Hoje nós vemos por aí o fenômeno dos desigrejados. Há dados do IBGE que mostram que um em cada cinco evangélicos são desigrejados.

É claro que devemos ser compreensivos para com aqueles que saíram da igreja porque foram feridos. Precisamos acolher essas pessoas.

Mas o que João mostra aqui é que não dá pra estar na luz e não amar aqueles a quem Deus amou. Ele diz isso em 1Jo 5.1:

1João 5.1
Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido.

Nós amamos esse povo. Nós servimos esse povo. É assim que vive quem está na luz. Aquele que fica dizendo que é todo mundo “hipócrita”, aquele que pensa que está melhor sozinho, “só ele e Deus”, demonstra que está em trevas.
Mas não são só os desigrejados que cabem aqui. Muitas pessoas estão na igreja, mas não amam o irmão. Muitos estão na igreja, mas são motivos de tropeço para o irmão. Muitos usam a ideia da liberdade cristã para levar seu irmão a pecar.

João nos diz que aquele que ama o irmão dá a vida por Ele, assim como Jesus deu sua vida por nós (1Jo 3.16). Aquele que ama o irmão o ajuda no momento de necessidade (1Jo 3.17). É assim a conduta daquele que é nascido de Deus.
Conclusão: Como temos certeza da vida eterna?

É assim, irmãos, que temos certeza de que temos a vida eterna:

  1. Quando a nossa vida é marcada pela obediência. Quando cremos, confiamos e temos prazer na Palavra de Deus.
  2. Quando o amor de Deus está sendo aperfeiçoado em nós, e isso nos leva a mais obediência.
  3. Quando estou unido a Cristo, e o amor de Cristo está em mim.
  4. Quando amo meu irmão, e sirvo à igreja que Deus reuniu.
  5. Quando confio em Cristo como meu Redentor, recebo o amor de Cristo, e vivo no amor de Cristo, e esse amor em mim é desenvolvido em mais e mais obediência.

Mas talvez pensemos: eu não consigo! Isso é muito para mim! Não é a minha realidade! Talvez esteja preocupado e com medo de não ter a vida eterna. Há duas coisas que posso te dizer:

Se você está em pecado contínuo, sem tristeza, sem arrependimento. Se você não acredita mais na Palavra de Deus. Se você não ama o irmão e quer mais que todo mundo se exploda. Se Deus não está te disciplinando. Se quer viver em pecado lá fora, ainda que diga que está com Deus… abra o olho. É para você mesmo esse teste. Corra para Cristo. Arrependa-se. Confesse. Creia na Palavra de Deus.

Se você está sendo tentado, mas está lutando. E tá difícil! Se está arrependido e triste pelo pecado. Se você busca na igreja o auxílio que precisa para lutar contra o pecado. Se você confia em Cristo como seu Salvador, no perdão que ele dá… Bem vindo à luta. Essa é a luta da santificação. Você pode ter segurança na vida eterna, porque você está em Cristo, e o amor dele está sendo desenvolvido em você.

Deixe uma resposta